Encontro com os Yudjá - abertura

Pessoal, entre 29/10 e 04/11 organizamos a oficina sobre conhecimentos tradicionais e novas tecnologias com os Yudjá, na aldeia Tuba Tuba. Antes da oficina os Yudjá realizaram assembléia geral da sua associação Yarikayu. Durante a assembléia já conversamos sobre a idéia da oficina e seus objetivos.
Este é o primeiro de uma série de posts com os relatos de cada dia da oficina Yudjá.
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Um dos pontos de pauta da assembléia foi apresentar a discussão sobre direitos intelectuais relacionada ao projeto de revitalização da musica Yudjá, em andamento desde 2002. Paulo Junqueira fez um histórico do processo, dizendo que a própria associação foi fundada com o objetivo expresso de valorização da música. Desde 2002, foram gravadas várias músicas, fizeram oficina de fabricação de flautas, expedição para coleta de matéria prima, gravaram festas grandes. Tudo foi feito através do projeto apoiado pelo Ministério da Cultura (Minc). O material que foi mais trabalhado – a festa Kuataha, Pireu Xĩxĩ e as gravações feitas para o Museu de Basel - vai virar publicações específicas que irão acompanhar o CD. Agora que o projeto apoiado pelo Minc está terminando, será preciso escrever um relatório e decidir qual material será entregue ao Minc.
As perguntas centrais para estimular a discussão foram:
- o que os Yudjá pretendem fazer com o material produzido até agora?
- o que as pessoas que tiverem acesso ao material poderão fazer? Vai ser permitido reproduzir? Copiar? Comercializar? Alterar?
Posteriormente o cacique Tinini fez vários comentarios. Disse que as pessoas que colaboraram com o trabalho merecem ter acesso ao material como lembrança, mas desde que respeitem os direitos intelectuais dos Yudjá, sem copiar nem vender. Disse que o Minc pode ter acesso ao material por ter apoiado o projeto, mas deve respeitar o direito dos Yudjá de não comercializar sem licença. O homem rouba as riquezas culturais através da tecnologia, por isso a preocupação com a nossa imagem e música.
Em seguida Fernando Mathias apresentou a proposta de trabalho para os dias seguintes, explicando que a idéia da oficina é explorar as vantagens e desvantagens do uso das novas tecnologias para o registro cultural indígena, de maneira a divulgar o trabalho da melhor forma possivel, resguardados os direitos que os Yudjá quiserem.