Proposta de planejamento para o Xingu

Casos a serem trabalhados:
· Yudjá: depois do registro cultural em Cds e DVDs, como gerir a nova teconologia na defesa dos conhecimentos tradicionais neles embutidos?
· Ikpeng: acesso livre aos materiais audiovisuais produzidos no passado: direito à identidade tradicional X direito patrimonial autoral. Por que, para quê e como gerir esse material?

Encontro sobre Direitos Culturais para Gestores de Associações:
· Contexto: ano passado foi realizado encontro das associações do Xingu, com enfoque no tema de direitos autorais e direito de imagem relacionado aos contratos assinados no ano por aqueles povos xinguanos. Pretende-se com esse novo encontro dar continuidade nas discussões, que foram centradas no modelo proprietário e tradicional dos direitos intelectuais, o que gerou desconforto, dúvidas e reflexão para o próximo passo: refletir sobre as possíveis mediações entre o tema da propriedade intelectual e conhecimentos tradicionais, sob a lógica (solidária ou proprietária) da defesa e promoção dos direitos relacionados aos conhecimentos tradicionais.
· Proposta do encontro:
· 1º momento: discussão sobre a gestão dos conhecimentos entre os grupos do Xingu, em perspectivas anterior e posterior ao contato com o branco. Protagonismo: lideranças multietnicas, gestores das associações indígenas.
· 2º momento: Discussão sobre como as novas tecnologias mudam a forma de defender o conhecimento tradicional. Protagonismo: equipe CTS e ISA sobre o boom da internet e as diferentes reações na sociedade não indígena frente o tema da propriedade intelectual.
· Duração: 5 dias
· Data proposta: 1ª ou 2ª quinzena de abril
· Preparação: organização de material com assessoria do CTS.

2 jornadas de 2 oficinas no Xingu: Yudja e Ikpeng
· Cada jornada de + - 15 dias – primeiro oficina no Tuba-tuba, depois segue para oficina no Pavuru
· Cerca de 5 dias em cada aldeia

Primeira jornada – oficina em 2 momentos, 1º aprender com os índios a história mítica e o jeito de cuidar de seus conhecimentos (protagonistas: comunidade indígena em geral com apoio da equipe Xingu), 2º apresentar e debater sobre novas tecnologias de circulação da informação (Internet) e seus potenciais, com apoio de material preparado (impresso e/ou em cd). Protagonistas: ISA (Equipe Xingu, PPDS, antropólogos).
Data proposta: 2ª quinzena de maio ou 1ª quinzena de junho

Segunda jornada – depois da primeira oficina, fazer uma avaliação e marcar segunda oficina, com objetivo de avaliar a troca feita na primeira jornada, tendo em vista as possíveis mediações entre o tema da propriedade intelectual e conhecimentos tradicionais, sob a lógica (solidária ou proprietária) da defesa e promoção dos direitos relacionados aos conhecimentos tradicionais. A reflexão poderá encerrar a jornada com uma avaliação da possibilidade de criação de salvaguardas intelectuais para os produtos esperados.
Data proposta: 2ª quinzena de julho

Essa discussão poderá ser retomada no encontro das associações do Xingu em dezembro de 2008, permitindo uma revisão das experiências de diferentes etnias, mostrando os caminhos percorridos, as estratégias, mediações e definições de cada povo no processo de transformação dos meios tradicionais de transmissão e circulação cultural.

Colaboração do CTS:
· Preparação de material para as oficinas em linguagem acessível para as comunidades, em conjunto com o ISA, sobre cultura digital, potenciais da Internet e de circulação da informação hoje, recheado de exemplos de crescente complexidade.
· Pode haver um material impresso simples customizado para cada oficina e eventualmente também um CD “saiba mais”com um conteúdo maior de exemplos e assuntos.
· Data proposta: a partir de março, para preparação do Encontro sobre Direitos Culturais para Gestores de Associações