povos indígenas

O que é?

Este projeto tem por objetivo investigar novos caminhos para a salvaguarda de criações intelectuais de povos indígenas de modo que suas formas particulares de produção e circulação de conhecimento sugiram elas próprias os mecanismos de sua legitimação jurídica, em lugar de procurar enquadrá-las nos modelos existentes no Direito positivo.

Povos indigenas debatem a relação entre suas culturas e tecnologias, em São Gabriel da Cachoeira (AM)

 Povos indigenas debatem a relação entre suas culturas e tecnologias, em São Gabriel da Cachoeira (AM)

Povos indigenas debatem a relação entre suas culturas e tecnologias, em São Gabriel da Cachoeira (AM)
[03/04/2009 18:41]

http://www.socioambiental.org/noticias/nsa/detalhe?id=2866

Povos indigenas do Rio Negro( noroeste amazônico), do Xingu (MT) e de Roraima mostram em encontro e oficina como as tecnologias digitais e a internet podem ajudar (ou atrapalhar) a divulgar sua imagem e fortalecer seus direitos.

Experiências, Estratégias Metodológicas e Análises do Projeto Conhecimentos Tradicionais

EXPERIÊNCIAS, ESTRATÉGIAS METODOLÓGICAS E ANÁLISES
DO PROJETO CONHECIMENTOS TRADICIONAIS

Carolina Martins Pinheiro

O projeto: contexto e objetivos

O projeto Conhecimentos Tradicionais e Novas Tecnologias tem como objetivo
identificar formas alternativas de salvaguarda jurídica às criações intelectuais
coletivas e aos conhecimentos tradicionais, que não assumissem como propósito
necessário a privatização do bem que se deseja tutelar. O contexto do projeto se insere
em uma maior afirmação dos povos indígenas por meio da utilização de novas

Graham Dutfield fala sobre conhecimento tradicional no INPI

Em 23 de novembro o professor da Universidade de Leeds, Graham Dutfield proferiu palestra no Instituto Nacional da Propriedade Industrial -INPI sobre a proteção de conhecimentos tradicionais. Mauricio Guaragna, advogado do Centro Tecnologia e Sociedade da FGV-RJ e colaborador deste projeto, nos enviou um relato do evento:

Nova Zelândia publica guia de propriedade intelectual para os Maori

A Nova Zelândia nunca foi um país "amigo" dos povos indígenas nas negociações internacionais referentes a conhecimentos tradicionais. Na CDB sempre foi e continua sendo a responsavel pela velha estratégia do "bode na sala", que emperra as discussões até o fim do evento, causando sensação de avanço a todos por conseguirem encerrar as discussões no estado em que se iniciaram.

Declaração dos Povos Indígenas da ONU, sobre propriedade intelectual

Artigo 31.1. Os povos indígenas têm direito de manter, controlar, proteger e desenvolver seu patrimônio cultural, seus conhecimentos tradicionais, suas expressões culturais tradicionais e as manifestações de suas ciências, tecnologias e culturas, compreendidos os recursos humanos e genéticos, as sementes, os medicamentos, o conhecimento das propriedades da fauna e flora, as tradições orais, as literaturas, os desenhos, os esportes e jogos tradicionais, e as artes visuais e interpretativas.

“Não podemos instrumentalizar os conhecimentos indígenas"

“Não podemos instrumentalizar os conhecimentos indígenas", alerta o etnólogo Eduardo Viveiros de Castro

[25/05/2007 12:11]

Discurso de Gilberto Gil na cerimônia de abertura do Seminário Internacional sobre Diversidade Cultural

Discurso do ministro Gilberto Gil na cerimônia de abertura do Seminário Internacional sobre Diversidade Cultural
BRASÍLIA, 27 DE JUNHO DE 2007

Caros colegas da Cultura, ministros e autoridades máximas da Cultura,
Caros artistas e pensadores do Brasil e cidadãos do mundo aqui presentes,
Meus amigos e minhas amigas, irmãos das Américas, gente do Norte, da Central, do Caribe, do Sul, saúdo a todos.

A Natureza em Pessoa: sobre outras práticas de conhecimento

O texto em anexo foi escrito pelo antropólogo Eduardo Viveiros de Castro para o Encontro "Visões do Rio Babel".
Introdução:
Este trabalho expõe um complexo de idéias presente nas culturas indígenas da
Amazônia relativo ao que chamaríamos ‘natureza’, e sugere algumas de suas
implicações filosóficas possíveis. Ele começa por evocar certas idéias não indígenas
sobre o tema, de modo a situar a diferença entre os problemas
indígenas e ocidentais. O conceito central para a caracterização das cosmologias